Maternidade

FILHOS DO CORAÇÃO…

Nem sempre ao nascer uma criança, nasce uma mãe. Ser mãe não é apenas conceber, ser mãe é ser um fonte inesgotável de amor, e esse amor muitas vezes não nasce do nosso ventre e sim do nosso coração.

Há 24 anos atrás, uma mulher que já era mãe, já havia concebido dois filhos, se apaixonou completamente por um ser que mal conhecia. Uma pessoinha tão pequena e indefesa e já rejeitada por aquela que deveria ser seu anjo da guarda. Mas na verdade quem o trouxe ao mundo não seria o seu anjo protetor e sim quem o amou assim que o viu. Sim amor a primeira vista existe. Essa mulher era minha mãe, ao adotar meu irmão caçula e tornar-se “mãe de coração”, foi assim que ela sempre explicou quando meu irmão perguntava porque não havia nascido do seu ventre: “porque você nasceu do meu coração”. Sempre achei linda a forma como ela se referia a ele. E esse amor se reflete até hoje, pela pessoa maravilhosa que ele é.  Vamos conhecer um pouquinho desse sentimento pelas palavras dela?

 

“É muito fácil falar em adoção. Ter um filho que não nasceu do seu ventre mas que aos poucos foi se tornando um pedaço seu. É uma relação tão íntima e duradoura que vai muito além dos vínculos de sangue. Um filho gerado em seu ventre é um amor que você sente a partir do dia que sabe da sua existência, é um amor incondicional. O amor de um filho adotivo, cresce dia-a-dia, a cada instante. É um amor tão grande que somente quem passa por essa experiência sabe a dimensão, porém não é para qualquer pessoa. Quando se adota uma criança, precisa estar preparada para enfrentar todo tipo de problemas que possa aparecer durante sua existência. Infelizmente as pessoas ainda não estão preparadas para entender essa relação e o preconceito existe, até mesmo na nossa família. Eu enfrentei tudo isso e venci. Mostrei a todos, que é meu filho tanto quando os que nasceram de mim. Ouvir: “mãe, sem você eu não seria tão forte, te amo”, “mãe estamos juntos na batalha de novo, amo você”. Não tem preço. Ser mãe de um filho biológico é sublime e de um filho de coração é mágico! Meu abraço e respeito à todas as mães de coração como eu.” –  Alda Menezes – mamãe do Adriano, da Alessandra e do Luiz Felipe, nosso caçula.

E são tantas as mulheres que decidem ser mães de coração, querendo levar amor à quem precisa de forma incodicional. Tenho muito alegria de conviver com mães maravilhosas, como a “prô” Carla, professora da Isabella e uma amiga querida, que também conta pra gente sua experiência com o Mumu, o Murilo, seu bebê lindo e fofo!

“Nossa gravidez do coração durou 3 anos e meio, depois de estarmos habilitados para adoção. Esta espera nem sempre foi fácil para mim, para meu marido Danilo e para nossas famílias. Foi uma espera de ansiedade, expectativas e, algumas vezes, angústias. Amar tanto alguém que você nem conhece gerava muitas preocupações. Ficava pensando se meu anjinho já havia nascido ou não, se estava bem de saúde, se estava passando necessidades, se era ou não bem tratado… Mas acalentava nossos corações saber que Deus sempre foi muito maravilhoso em nossas vidas, confiávamos que ele estava preparando alguém muito especial para nós e que estaria cuidando dele. Nossa longa espera terminou no dia 06/09/2016, quando recebi a tão esperada ligação do fórum. Não conseguia nem entender direito o que a psicóloga do fórum estava falando de tanta emoção! Mas ela me passou a idade, o sexo e alguns dados de saúde da criança. Estávamos grávidos de um menino, de 1 ano e 1 mês, muito saudável e ativo (depois fui entender que este ativo significava muuuuuuuuito ativo, rsrs). Marcamos um encontro com a psicóloga e a assistente social no dia 08/09. Tivemos que aguardar mais 2 dias porque dia 07 era feriado. Aguenta coração! No horário marcado estávamos lá… felizes, ansiosos, curiosos! Elas nos passaram todo o histórico familiar e de saúde de nosso anjinho para confirmarmos se realmente queríamos conhecê-lo. Como não querer? Depois de uma longa conversa, elas nos mostraram fotos dele.

Foi amor a primeira foto. As lágrimas foram inevitáveis, a emoção foi tanta que nem prestei mais atenção o que elas diziam. Só consegui falar para o Danilo, é o nosso filho! Queria sair dali correndo para o abrigo, mas tínhamos que aguardar a autorização do juiz para irmos até o abrigo conhecê-lo. Mais espera! Na sexta, dia 09/09 fomos autorizados a visitá-lo no abrigo no dia seguinte. Sábado acordamos PAIS! Não sabíamos que roupa escolher, que sapato usar, se usávamos ou não perfume, se levávamos um brinquedo para ele… O nervosismo era grande, afinal íamos conhecer NOSSO FILHO! Era o compromisso mais importante de nossas vidas! Chegamos ao abrigo e fomos recebidos pelo psicólogo, que nos apresentou a casa e falou um pouco sobre nosso anjinho. E, finalmente, fomos conhecê-lo! É inexplicável a sensação de ver pela primeira vez um ser tão especial para você. Imagino que seja como conhecer seu bebê, logo após o parto! O amor é automático, instantâneo, avassalador! Tudo o que você mais deseja é estar com aquele anjinho, dar todo seu amor para ele, proteger, cuidar! Tê-lo em minha vida é um privilégio. Nosso Murilo, Mumu como costumamos chamá-lo, é uma criança muito feliz, saudável, esperta, ATIVA, criativa e carinhosa. Ele completa e preenche todo meu desejo materno, todo aquele amor que toda mãe sabe que tem guardado pra alguém. Quando ele começou a chamar Mamãe e Papai, foi uma realização, foi como ouvir a melhor música do mundo. Ouvir… MAMÃE!!! é maravilhoso, mesmo que seja no meio da madrugada! Ganhar um abraço, um beijinho, uma piscadinha, um coraçãozinho (que ele faz com as mãozinhas e braços), fazer dormir ou dar um colinho é uma sensação e um prazer incrível. Ser mãe do coração é amar alguém sem ver, sem sentir… se preocupar e desejar estar com alguém que você nem sabe se já nasceu.

É sentir o maior amor do mundo instantaneamente ao conhecê-lo, seja por uma foto ou sua história. Não importa DNA, tipo sanguíneo, ter o nariz do pai, os olhos parecidos com os da mãe, a cor da pele… Sou mãe há apenas 8 meses, ainda estou aprendendo, aliás acho que nunca deixarei de aprender como ser mãe. Mas tudo o que mais desejo é ser a melhor mãe do mundo para o meu Mumu. Ele merece!” – Carla Valente Oliveira  – mamãe do Murilo.

Quis compartilhar com vocês essas histórias lindas de amor, para mostrar que a maternidade é um dom, um sentimento que nasce com a mulher e não necessáriamente dela. Meu feliz dia das mães para todas as mães que amam seus filhos incondicionalmente, sejam filhos do ventre ou do coração,não importa, o que importa é amar.

E você? É mamãe do ventre ou de coração? Conta sua história para a gente!!

Beijinhos

Por Alessandra Pazin

(@realidadesdamaternidade)